segunda-feira, 17 de setembro de 2007

hai-kai em prosa

beija-flores na chuva. disparam como setas. mais rápidos que os pingos da paisagem móvel. a água não bate nas asas. mas os bicos levam outras gotas. néctar guardado na pressa do vôo. roubado sem rastro além do rumor das flores. zumbido de fuga, abelha de penas. cintila nas costas uma promessa de cor. assim que voltar o sol.

(06/08/07)

Um comentário:

Sweet disse...

Muito bom o espaço e os textos, como sempre. Bjs!