sábado, 30 de julho de 2011

música e experiência

.









quando rita ribeiro lançou o disco tecnomacumba, na verdade estava celebrando um longo caminho de aproximações musicais com a cultura popular brasileira. para mim, o disco também afirmava e celebrava o fato de que o Brasil não é um país católico apostólico romano, pelo menos não é apenas isso.

agora, ouvindo pela milésima vez a versão ao vivo deste disco, percebo claramente que rita não está sozinha nessa celebração religiosa.

é bonito ouvir um coro de muitas vozes cantando junto pontos de umbanda e celebrando orixás como algo vivo e cotidiano. mostrando que, como diria o antropólogo márcio goldman, a noção de "crença" deve ser substituída pela de "experiência". nesse caso, uma experiência musical e transcendental.



fico pensando quantos brasileiros e brasileiras que se dizem católicos apostólicos romanos não cantam a plenos pulmões os pontos e saudações aos orixás nos shows que rita faz por aí... talvez o mesmo número que tem lotado os cinemas para ver os filmes sobre chico xavier...





.

domingo, 24 de julho de 2011

memória é matéria de poesia

.




PAÍS
(Everardo Norões)


O meu país
é pequeno, sem mar
onde banhar-me os pés.
Mas, deu-me, nas suas pedras,
as relíquias dos peixes.
No seu calcário,
um pássaro, ferido de infinito,
aprisionou o seu vôo.
Libélula, a descobrir,
nas espirais do tempo,
o imenso avesso das águas.
O meu pobre país
não tem navios.
Mas, sob o altar da Virgem,
falam-me monstros marinhos.
E nas suas ruas
de pedra lavrada,
conversam as laranjeiras.

O meu país
é uma vereda de loucos.
Linhas de serranias
degolando o sol,
cheiro de cana azeda,
a palma dos buritis,
relho das sesmarias.
É um silêncio de arcabuzes,
um velho soneto de sangue:
a sombra de Tristão
sob a jurema.

O meu país
é um arquipélago
de países submersos:
desdém do dilúvio.
Um azul manchado
de teus olhos,
caminho descrevendo o teu corpo
na rota encabulada
dos espelhos.
O meu país
é noite adentro,
o aguardar das enchentes
que transbordam o sono.
Os cilícios bordando na pele
o santo nome em vão.
Salve-rainha
soluçando nos escuros,
a louca dos brejos
desvendando a cidade.

É um maio
de anjos e cetins,
o Diabo tocando pífanos,
no vazio solene da praça.
A casa dos morféticos
a adormecer os fantasmas
dos meninos,
lembrança das pedras
ferindo nossos passos.

É dele que vemos
o outro país
onde não somos.





(In, A rua do padre inglês. Rio de Janeiro: 7Letras, 2006)



.

segunda-feira, 18 de julho de 2011

aprendizado zen

.




os gatos ensinam o desprendimento das coisas materiais...



video





.