segunda-feira, 17 de outubro de 2011

100 anos de Bola de Nieve

.





video





não preciso dizer mais nada.




.

sábado, 30 de julho de 2011

música e experiência

.









quando rita ribeiro lançou o disco tecnomacumba, na verdade estava celebrando um longo caminho de aproximações musicais com a cultura popular brasileira. para mim, o disco também afirmava e celebrava o fato de que o Brasil não é um país católico apostólico romano, pelo menos não é apenas isso.

agora, ouvindo pela milésima vez a versão ao vivo deste disco, percebo claramente que rita não está sozinha nessa celebração religiosa.

é bonito ouvir um coro de muitas vozes cantando junto pontos de umbanda e celebrando orixás como algo vivo e cotidiano. mostrando que, como diria o antropólogo márcio goldman, a noção de "crença" deve ser substituída pela de "experiência". nesse caso, uma experiência musical e transcendental.



fico pensando quantos brasileiros e brasileiras que se dizem católicos apostólicos romanos não cantam a plenos pulmões os pontos e saudações aos orixás nos shows que rita faz por aí... talvez o mesmo número que tem lotado os cinemas para ver os filmes sobre chico xavier...





.

domingo, 24 de julho de 2011

memória é matéria de poesia

.




PAÍS
(Everardo Norões)


O meu país
é pequeno, sem mar
onde banhar-me os pés.
Mas, deu-me, nas suas pedras,
as relíquias dos peixes.
No seu calcário,
um pássaro, ferido de infinito,
aprisionou o seu vôo.
Libélula, a descobrir,
nas espirais do tempo,
o imenso avesso das águas.
O meu pobre país
não tem navios.
Mas, sob o altar da Virgem,
falam-me monstros marinhos.
E nas suas ruas
de pedra lavrada,
conversam as laranjeiras.

O meu país
é uma vereda de loucos.
Linhas de serranias
degolando o sol,
cheiro de cana azeda,
a palma dos buritis,
relho das sesmarias.
É um silêncio de arcabuzes,
um velho soneto de sangue:
a sombra de Tristão
sob a jurema.

O meu país
é um arquipélago
de países submersos:
desdém do dilúvio.
Um azul manchado
de teus olhos,
caminho descrevendo o teu corpo
na rota encabulada
dos espelhos.
O meu país
é noite adentro,
o aguardar das enchentes
que transbordam o sono.
Os cilícios bordando na pele
o santo nome em vão.
Salve-rainha
soluçando nos escuros,
a louca dos brejos
desvendando a cidade.

É um maio
de anjos e cetins,
o Diabo tocando pífanos,
no vazio solene da praça.
A casa dos morféticos
a adormecer os fantasmas
dos meninos,
lembrança das pedras
ferindo nossos passos.

É dele que vemos
o outro país
onde não somos.





(In, A rua do padre inglês. Rio de Janeiro: 7Letras, 2006)



.

segunda-feira, 18 de julho de 2011

aprendizado zen

.




os gatos ensinam o desprendimento das coisas materiais...



video





.

sexta-feira, 17 de junho de 2011

quinta-feira, 2 de junho de 2011

ainda o butô

.




Hijikata em Revolta da Carne (1968)




Tatsumi Hijikata

(trechos)

Dor, exaustão, morte - estes eram os elementos de sua dança. Mas eles não eram dramatizados, simplesmente estavam lá. Não algo a ser expressado por um dançarino; algo a ser mostrado por um corpo.

E lembro de Hijikata em um café de Ginza - destruído há muito tempo - dizendo naquele tom ocasionalmente dogmático que ele tinha: Você não pode apenas usar o corpo, sabe? Ele tem sua própria vida, uma mente própria, entende?

[...]

Dor, exaustão, agachamento. O corpo japonês constitui-se próximo da terra. Seu centro de gravidade é baixo. Somente japoneses poderiam dançar Butô. Ele precisa ser baixo, centrado - como se o lar da inteligência não fosse o crânio, mas o umbigo.



Donald Richie, no livro Japanese Portraits - Pictures of different people
(a tradução do trecho é minha)




.

terça-feira, 17 de maio de 2011

assombramentos

.




o saldo de um fim de semana chuvoso trancado (voluntariamente) em um pequeno teatro junto com outras vinte pessoas participando de um curso teórico foi um assombramento que não quer mais me largar.

a culpada por juntar esse pessoal (e manter todo mundo interessado até o fim do curso) foi christine greiner, e o assunto que levou todo mundo a se juntar foi o butô, fenômeno japonês que (aprendi com christine) vai muito além da dança.

além de o curso ter servido como uma introdução à cultura japonesa em geral, me abriu os olhos para todo um universo underground que geralmente não faz parte da visão estereotipada do japão que temos aqui no brasil.

eu digo underground no sentido mais profundo possível. as cenas que vi durante o curso me impressionaram muito: são imagens de pesadelo tão complexas que beiram o maravilhoso.

minha cabeça volta a estas imagens o tempo todo. ainda não conseguiu digerir os sentimentos ambivalentes que provocam. nem sei se um dia vai conseguir...



(performance da cia. Dai Rakuda Kan. Still do documentário Dance of Darkness, de Edin Velez)






.

quarta-feira, 4 de maio de 2011

recklessness and water

.









hoje o rádio da minha cabeça resolveu tocar músicas que eu ouvia na adolescência. tocou muitas músicas de tori amos até que chegou no r.e.m e ficou lembrando um dos meus discos preferidos: automatic for the people. o disco tem clássicos como "drive" e "everybody hurts", mas a canção que tocou no meu rádio hoje foi "nightswimming".

trata-se de uma canção rara: não conta uma história, não fala de amor, não contrói um pensamento articulado, é evocação pura. pedaços de memórias, imagens e sensações. tudo solto, pronto para significar qualquer coisa...




.

terça-feira, 3 de maio de 2011

o mar do muro

.





Xique-xique de Igatu, BA - Janeiro de 2011






.

sábado, 30 de abril de 2011

mortos e vivos

.







foi neste lugar da foto (Vale do Paty, Chapada Diamantina, coração da Bahia) que recebi, no primeiro dia de 2011, uma indicação preciosa de leitura.

a conversa girava em torno de como morte e vida muitas vezes significam precisamente a mesma coisa. lá pelas tantas, minha recém-amiga citou um artigo do antropólogo Márcio Goldman cujo título me chamou atenção. anotei mentalmente e encontrei o artigo assim que cheguei de viagem, mas só hoje finalmente li o texto.

entre as várias coisas que aprendi com as palavras de Goldman, destaco uma (a frase não é dele, é apenas uma síntese muito minha do que li):

o pleno exercício de uma profissão apenas acontece quando a prática é um permanente questionamento da própria razão de ser do ofício realizado.


obrigado, Carmen...



.

quarta-feira, 27 de abril de 2011

postal peruano

.




Machu Picchu, Junho de 2008 (foto feita pela querida Gláucia, companheira de viagens)



tempo de limpar gavetas, arrumar estantes e fazer aquelas coisas que sempre ficam para depois na correria cotidiana, entre elas, reencontrar memórias.

esse passo me fez tropeçar em algumas anotações feitas durante uma viagem ao Peru. as primeiras linhas me fizeram lembrar de uma tarde chuvosa em Lima, do rosto simpático do poeta Hildebrando Pérez Grande e de seu infinito conhecimento sobre a cultura de seu povo:

"para os Incas, a vida era dividida em três planos - chão, montanha e céu - representados por três animais - serpente, puma e condor"

mais à frente, um comentário dele sobre a formação étnica do país (ou a minha visão desse comentário: a memória me impede de ter certeza):

"Incas, espanhóis, africanos e asiáticos. a riqueza cultural é grande e variada, mas não houve mistura como no Brasil. cada cultura permanece isolada até hoje, como as ilhas flutuantes do lago Titicaca"

achei a comparação bonita. e tive vontade de conhecer o lago Titicaca. ainda tenho.




.


sábado, 16 de abril de 2011

poema

.




VOZ


Orelha, ouvido, labirinto:
perdida em mim a voz de outro ecoa.
Minto:
perversamente sou-a.


Antonio Cicero




.

sexta-feira, 25 de março de 2011

cores do carnaval

.


para comemorar o restabelecimento de minha conexão banda larga após um longo e solitário período utilizando uma precária conexão 3G (coisa que não desejo para ninguém) postei algumas fotos que fiz na já longínqua segunda-feira de carnaval, dia em que aconteceu o já famoso encontro anual de maracatus de baque solto, no espaço ilumiara zumbi, fundado pelo saudoso mestre salustiano. é um carnaval que, infelizmente, pouca gente vê.

eis a primeira foto da seleção. o resto você vê aqui.





.

domingo, 20 de março de 2011

poema recorrente

.



Eis um poema recorrente. Vira e mexe, aparece entre os meus pensamentos. E sempre que volta, me diz alguma coisa diferente do que eu já tinha lido...


Emissário de um Rei Desconhecido
(Fernando Pessoa)

Emissário de um rei desconhecido,
Eu cumpro informes instruções de além,
E as bruscas frases que aos meus lábios vêm
Soam-me a um outro e anômalo sentido...

Inconscientemente me divido
Entre mim e a missão que o meu ser tem,
E a glória do meu Rei dá-me desdém
Por este humano povo entre quem lido...

Não sei se existe o Rei que me mandou.
Minha missão será eu a esquecer,
Meu orgulho o deserto em que em mim estou...

Mas há! Eu sinto-me altas tradições
De antes de tempo e espaço e vida e ser...
Já viram Deus as minhas sensações...



.

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

vozes da voz

.





pesquisar muitas vezes significa catar, garimpar, afinar os sentidos e a sensibilidade para perceber ideias e filtrar percepções. um processo muito racional/intelectual mas também muito intuitivo.

a atividade de pesquisa nos ensina a ressignificar palavras aparentemente simples como "conclusão" e "explicação"... e a abrir mão de certezas absolutas e sentidos unívocos. todo método pode ser válido e toda regra pode ser quebrada. com ciência (consciência), em direção ao conhecimento, ao conhecer... caminho sem volta e sem fim.

pesquisar a voz humana (será esta expressão pleonástica? outros seres terão voz?) é como construir a moradia em uma zona de fronteiras múltiplas: entre corpo e linguagem, linguística e fonoaudiologia, som e escrita, fala e canto.

pesquisadores de todas as áreas do conhecimento que têm a voz como objeto de estudo (não são poucas as áreas: fonoaudiologia, canto, musicologia, literatura, teatro, antropologia etc.) diferem em objetivos, abordagens metodológicas e pressupostos teóricos. Apesar das dissonâncias (ou complementaridades?), todos concordam que a voz é um objeto de estudo "fugidio", que parece impossível analisar todos os aspectos do fenômeno vocal, que sempre resta "alguma coisa" que escapa a análises e definições...

a voz está tão ligada à identidade de quem a emite que falamos da voz de um artista como sinônimo de seu estilo pessoal. mesmo no caso de artistas que não produzem obras "sonoras" como no caso de um escritor de livros, por exemplo. obviamente a escrita é uma "língua segunda" que pressupõe e evoca a fala (voz), mas podemos pensar em uma voz feita de gestos como no caso da dança.

"achar a própria voz" parece ser uma etapa importante na vida de todo ser humano. refletindo sobre esta expressão, penso que ela se refere à voz humana num sentido mais profundo: a voz de todos os seres humanos, uma voz que é única e comum a todos nós, mas que também é múltipla porque engloba as emissões vocais de cada pessoa em sua individualidade e idiossincrasias. a própria palavra "pessoa" remete à voz em sua etimologia: persona = per-sonare = soar através (fazer a voz soar através das máscaras do teatro grego).

como já disse um compositor famoso, "somos apenas vozes/ apenas vozes da voz". encontrar as nossas vozes é deixar que elas soem e escutar com atenção o que nos dizem. a escuta atenta precisa do silêncio para acontecer, mas o silêncio já é outra história...




.

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

pina bausch em 3D

.






estreou no festival de berlim o esperado filme de wim wenders sobre pina bausch.

é daqueles filmes pra se ver no cinema, não só pelo tema mas principalmente porque foi feito em 3D.

pois é, nem só de avatares vive o cinema 3D... imagino que este lançamento não vá atrair filas quilométricas aos cinemas brasileiros - será que algum vai sequer exibir o filme? - mas é no mínimo interessante pensar em um documentário sobre dança contemporânea que utiliza essa tecnologia.

na longa trajetória conjunta entre dança e vídeo, este filme parece que já nasceu como marco histórico.



.

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

ceumar com jazz

.








como diria Itamar Assumpção: ouvidos atentos!

atenção para o novo disco da queridíssima ceumar.

acabei de receber e estou saboreando... escute trechos das músicas aqui.



.

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Vashti Bunyan

.





cantautora britânica que sussurra as canções ao violão.

composições simples e hipnóticas, quase mantras...

ouça uma delas aqui.






.

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Waly Salomão

.



acabei de assistir ao filme Pan Cinema Permanente, de Carlos Nader, sobre o poeta-provocador, personagem-performático Waly Salomão, Sailormoon, Marujeiro da Lua...

de tudo que vi, um poema marcou meus ouvidos, o mesmo que dá título ao filme. reproduzo-o abaixo em vez de comentar qualquer coisa.



PAN CINEMA PERMANENTE

para Carlos Nader


Não suba o sapateiro além da sandália
- legisla a máxima latina.
Então que o sapateiro desça até a sola
quando a sola se torna uma tela
Onde se exibe e se cola
a vida do asfalto embaixo
e em volta.









.

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Hadestown

.



já falei por aqui da cantautora americana Anaïs Mitchell. ela finalmente lançou em disco a trilha sonora do espetáculo Hadestown, uma "folk opera" que (como o título já indica) reconta a história mitológica de Orfeu e Eurídice.

as canções de Anaïs são ótimas, simples e certeiras, inteligentes e fáceis de cantarolar. além disso, sua versão do mito é bem interessante.

destaque para a participação especial da mui querida Ani DiFranco como Perséfone.




escutem!



.