sábado, 30 de abril de 2011

mortos e vivos

.







foi neste lugar da foto (Vale do Paty, Chapada Diamantina, coração da Bahia) que recebi, no primeiro dia de 2011, uma indicação preciosa de leitura.

a conversa girava em torno de como morte e vida muitas vezes significam precisamente a mesma coisa. lá pelas tantas, minha recém-amiga citou um artigo do antropólogo Márcio Goldman cujo título me chamou atenção. anotei mentalmente e encontrei o artigo assim que cheguei de viagem, mas só hoje finalmente li o texto.

entre as várias coisas que aprendi com as palavras de Goldman, destaco uma (a frase não é dele, é apenas uma síntese muito minha do que li):

o pleno exercício de uma profissão apenas acontece quando a prática é um permanente questionamento da própria razão de ser do ofício realizado.


obrigado, Carmen...



.

Um comentário:

josé geraldo disse...

belos escritos! wally salomão me trouxe aqui ... abraços